julho 08, 2009

BOLA OU BONECA

Na velocidade do relâmpago a bola ou a boneca ocupam lugar no vasto território das lembranças. Ali acolhidas pelas tantas coisas que deixaram de ser prioridade porque cederam espaço para compromissos, emoções, direitos, deveres, sonhos e ilusões.

Assim preteridas pela esperança de futuro melhor, bola e boneca restaram olvidadas num canto qualquer do longínguo passado daquilo que um dia fomos.


Então crescemos saltando diretamente do pretérito para o futuro, imensamente gratos por fazer a barba ou depilar as pernas, repletos de sonhos de prosperidade, desesperados pelo sucesso, carentes de afeto, ansiosos por constituir fortuna, família e glória.


Tanto é assim que marcamos presença adquirindo espaço próprio, amealhando conquistas, acumulando vitórias e frustrações enquanto testemunhamos fios de cabelo que caem ou embranquecem.


Tudo isso para num desses tantos domingos desprovidos de sol, num tempo qualquer de um futuro em que pouco se nos dá se fizemos a barba ou depilamos as pernas, ouvindo o som distante da TV que deixou de merecer nossa exclusiva atenção tanto quanto tantas outras coisas menos importantes que perderam a graça original, muito mal acomodados na poltrona em que cultivamos nossas dores lombares, entre encimesmados e melancólicos por conta daqueles tempos que se recusam a voltar, apenas sentimos uma quase insuportável saudade de bola ou boneca.

É nesse momento que lamentamos a ausência do presente que escorreu por nossos dedos. Simplesmente escorregou assim mesclado de sonhos, fantasias e esperanças de outrora.

16 comentários:

Cris disse...

gosto de pensar que as coisas velhas escorregam porque precisamos das coisas novas, até para dar valor ao passado é assim não é? um beijo enorme.
lindo seu texto!

Blue disse...

Que belo texto que nos faz lembrar da infância, dos tempos de criança que, infelizmente não voltam mais.

E deixar a tv desligada..... é melhor ainda!

Retribuindo visita e comentário. Voltarei!

Beijos

Tetê disse...

O ser humano é um eterno insatisfeito, né? Quando somos crianças, queremos crescer... deixar a boneca de lado e usar baton, roupas justas,poder ir ao cinema com as amigas, namorar... Quando nos tornamos adultos é que nos damos conta do quanto era bom ser criança! Eu fui criança bastante tempo! Aproveitei tudo o que tinha direito mas mesmo assim gostaria de ter mais uns dias com minha boneca... Por aqui, graças a Deus, tudo bem! Fiquem com Deus! Bjks Tetê

Pena disse...

Admiráveis Amigos:
Realmente, é pura verdade. Vivemos ao sabor do que fomos e, não, do que poderemos vir a ser.
Um texto interessante, fascinante e de uma óbvia e sensível autenticidade existencial.
Parabéns sinceros. Adorei.
Percorre-se a vida e no seu final não conseguimos fazer nada que poderíamos ter feito ou sonhado idealizar à sombra de um outrora marcante e relembrado de forma constante.
Abraço e beijinhos de grandiosa estima, imenso respeito pela genialidade VOSSA e do conteúdo de um precioso valor.
Cordialmente e sempre a admirar-vos

pena

OBRIGADO pela vossa amizade e simpatia.
Bem-Hajam, amigos talentosos. Brilhantes.

Gleidston disse...

Eis uma verdade, que ao percorrermos esse texto, e lembrarmos de um tempo passado, vem a tona uma saudade, lá no fundo, um pesar profundo pela lembrança do que foi e jamais tornara a voltar,seguir é inevitavel,o texto que me fez refletir, adorei,parabéns!

Otima 6f de paz pra voces,

Abraço!

MEU MUNDO E NADA MAIS... disse...

Amigos adorei o texto, me fez lembrar
como é bom ser criança,
amei o blog muito interessante,
voltarei mas vezes e obrigada pela visita ao meu pequeno mundo.
tenham um lindo amanhecer!

Regina disse...

Oi Cris, que verdadeiro tudo isso!

Infelizmente, nesta loucura que é o mundo atual, esquecemos de viver, de ser...

Estamos perdendo a essência, o humanismo, muitas vezes porque vivemos nessa busca desvairada e incessante de algo que às vezes, nem sabemos o porquê!...

E, quando notamos, a vida passou, o momento passou...

Que possamos olhar mais para dentro de nós e refletir mais sobre o que é realmente importante para nós nesta vida...

Adorei o texto, nos faz questionar...

Sempre engrandecedor vir aqui!!

Beijos!!

Nilson Barcelli disse...

Um belo texto sobre a saudade dos tempos de criança, materializado na bola e na boneca.
Gostei, caros amigos.
Abraço para o Mário.
Beijo para a Cris.

Georgia disse...

Sonhar é preciso mas nao ficar somente no sonho, devemos realizá-lo também na medida do possível. O gosto da realizacao é o sabor da vitória e nao de tempo perdido.

Um beijo em vcs

Giane disse...

Infelizmente só tomamos consciência de que largamos cedo a bola e a boneca quando já estamos adultos demais para retornar á eles...

Será por isso que vejo tantos adultos em lojas de brinquedos?

Beijos mil, Cris e Mario!!!

PS: Agradeço o carinho, Cris. Além das Palavras ele fazia muita falta.
Gosto muito de Você!

Joรıє disse...

Acho q toô crescendo de verdade. Do passado, tenho boas lembranças, de quando brincava com meus amigos de esconde-esconde, pega-pega, de boneca e bola tbm...
Ê saudade de um tempo que ñ volta mais.
Beijos amigos

Pena disse...

Amigos:
Possuem um valor incalculável. De ouro puro naquilo que fazem e fazem de forma excelente.
Abraço e Beijinhos de encanto.

pena

LEO disse...

Olha, os dias têm passado com tanta pressa, que se não procurarmos executar nossas tarefas com atenção e esmero, parece q não fazemos nada... rs rs
Um ótimo dia pra vcs!

Aninha Pontes disse...

Acho que em algum momento, todos temos saudades de um tempo que ficou para trás, mas o saudosismo, não pode jamais se transformar em melancolia, para não atrapalhar a continuação dos sonhos com o ainda futuro.
E mais, não sofrer com as saudades da bola ou da boneca, afinal, as marcas do tempo insistem em aparecer.
Eu, que o diga, rsrsss..
Beijos queridos.

Adelino disse...

Mário e Cristiane. Sinto alguma nostalgia no texto...
Concordo com Giane e Ana, mas podemos recordar o tempo de criança sem nos perdermos em melancolia, em querer voltar.
Crianças são criadas ouvindo sempre os "não pode", é perigoso, é feio, é falta de educação etc.
Muitas vezes me supreendo fazendo coisas que me eram proibidas quando criança, por exemplo: riscando quantos fósforos quiser, fazendo fogo com lentes de aumento, tomando quantos sorvetes achar melhor, dizendo "não" a festa que não quero ir, lendo gibis, revendo seriados, etc etc. Tudo sem culpa. E nem por isso deixo meus compromissos de adulto de lado. Pelo contrário.
Sonhar, relembrar o tempo de criança é uma coisa. Viver nele é outra. Aí não é bom.
Um grande abraço.

Daniel Savio disse...

As vezes temos de sacrificar um pouco os nossos sonhos para podermos sobreviver...

As vezes esquecemos que temos de resgastar os nossos sonhos um dia...

Fiquem com Deus, menina Cris e menino Mário.
Um abraço.

Blog Widget by LinkWithin